Vassefode

Vamos lá, é simples:

  • Você acredita, portanto vai.
  • Eu não acredito, portanto fico.

Situação 1 – Caso de desrespeito mútuo:

  • Você tenta me convencer de que estou errado e me critica.
  • Eu tento te convencer de que estás errado e te critico.

O resultado é:

  • Uma grande merda porque ninguém detém a verdade absoluta de porra nenhuma, apesar de acreditar no contrário. A discussão não verá final feliz.

Situação 2 – Caso de respeito mútuo:

  • Você não me perturba porque não vou. Afinal, sou livre para escolher o que fazer da minha vida.
  • Eu não te perturbo porque você vai. Afinal, você é livre para escolher o que fazer da sua vida.

O resultado é:

  • Todos vivem felizes para sempre. A rotação e a translação do planeta permanecem inabaladas e nossos cartões de crédito continuam vencendo nas mesmas datas de antes.
Anúncios

Sua opinião é apenas a sua opinião

Texto original em anthraxenchiladas.tumblr.com.

Tenha em mente que sua opinião não é nada mais que um direcionamento do seu raciocínio, criado por uma coleção de ideias e crenças que você mesmo desenvolveu durante toda a sua vida através de incontáveis experiências e interações com outros indivíduos e com o meio em que você viveu até então.

Sua opinião não é uma lei nem tampouco algum conceito objetivo que esteja apto a prevalecer sobre as opiniões daqueles que divergem. Você não possui o direito de obrigar as pessoas a pensarem como você, menos ainda de atacá-las quando diferem da sua linha de pensamento. Devido à sua natureza subjetiva, uma opinião não deve ser forçada sobre outros. Pode ser discutida e debatida, concordada ou discordada, rejeitada ou aceita, porém, jamais imposta.

Vale lembrar que opiniões não são nem certas e nem erradas, elas simples e absolutamente são. Opinião é uma entidade neutra que faz-se presente de forma natural entre indivíduos e pode, consequentemente, sofrer a ação de forças opositoras.

É irrelevante quantas pessoas concordam com a sua opinião; a opinião da maioria ainda é subjetiva, a despeito do número de pessoas por trás dela; tirania da maioria é algo inútil numa sociedade que se diz livre. Desta forma, da próxima vez que você bradar aos quatro ventos que está “do lado certo da estória”, tenha em mente que existiu um tempo em que a opinião de uma “maioria” Alemã apoiava o extermínio de Judeus e homossexuais. Houve também um tempo em que uma “maioria” Estadunidense era favorável à escravidão de negros e ao genocídio dos índios nativos. Em ambas ocasiões, a maioria clamava estar “do lado certo da estória”. Portanto, faça-se o favor de não ser tolo o bastante para permitir levar-se apenas por um número x de pessoas que dão suporte às suas crenças, porque até mesmo elas estão fadadas a serem mudadas com o tempo.

A despeito de você posicionar-se favoravelmente a determinada causa, seja ela religião, casamento entre gays, guerra, economia, aborto, ações afirmativas, imigração etc., qualquer que seja a causa, lembre-se que você é apenas uma pessoa entre sete bilhões neste planeta e a sua opinião é igualmente uma entre tantas outras diferentes. Tenha sempre isto em mente quando sentir aquela vontade irresistível de atacar alguém que teve a audácia de formar uma opinião por si próprio, divergente da sua.

Divagando, esta é apenas a minha opinião.

new_idea_and_old_experiences

Livros, conspirações do Universo e Sabine Weiss

Dia 18/6, a dois dias do meu aniversário, estava conversando comigo mesmo, como que despreocupadamente, sozinho em casa, enquanto finalizava uma nova arte:

— “Se alguém quisesse te dar um presente de aniversário, o que você gostaria de receber?”, me perguntei.
— “Livro. Adoro livros.”, me respondi, com um sorrisão.

Passou.

Eis que 23h30, chega Bárbara em casa, animada porque tinha passado o dia inteiro pulando de exposição em exposição. Eu estava cá deste lado animado por ter concluído nova arte. Trocávamos animações.

Ela repousou dois livros sobre a mesa. De relance li numa das capas: Sabine Weiss.

Sabine Weiss

Não ouvi mais nada do que ela estava falando. Desliguei-me completamente.

No dia 13/6 eu havia postado esta imagem no Lá da Granja e no meu Facebook:

Sabine Weiss - Paris, 1953

Autora? Sabine Weiss, 1953.

E agora o livro dela em cima da minha mesa.

— “Escuta, está rolando uma exposição dela?”, perguntei aflito.
— “Sim, está! Lindas fotografias! A artista estava lá na exposição. Eu ganhei este livro e ela o autografou!”, Bárbara me responde com a maior naturalidade.

Abri.
Na folha de rosto, Sabine:

Assinatura Sabine Weiss

Nunca imaginei que iria receber indiretamente um livro tão espetacular de presente. E autografado por esta artista, já agora com 89 anos.

Adoro as conspirações do Universo. Adoro livros.

Sabine Weiss - A FOTO!

Ela é a música que ninguém toca

Ela parece me vestir
Espalha-se confortavelmente pelo meu desespero
Causa dor
Que vaza sem que eu perceba.

Faria tudo para tê-la aqui.
Faço tudo para tê-la aqui.

Ela é a música que ninguém toca.
Inacessível.

Faço dela um mito em que preciso acreditar.

Não posso deixar que isso cresça em mim.

O nó na garganta engasga.
Me parte ao meio.

Não posso deixar que isso cresça em mim.

Ela não é real.
Não posso torná-la real.
Não consigo torná-la real.